Miguel Oliveira em KTM da motoGp em cima da ponte 25 Abril
Sim, Miguel Oliveira andou mesmo de KTM de MotoGP na Ponte 25 de Abril "O que hoje é o limite, amanhã deixa de o ser." É possível que não exista frase que melhor descreva o percurso de Miguel Oliveira e faz todo o sentido que essa frase seja da autoria do próprio. Afinal, o português tem sido um pioneiro, o "trailblazer" do motociclismo nacional. O primeiro português a chegar a Moto3, Moto2 e MotoGP. O primeiro a lá vencer, também. O foco, desde sempre, é esse: ser o primeiro. Não só em circuito, como fora dele. "Os sonhos não têm limites", diz Miguel, e quando tanto se eleva o país em que se nasce por esse mundo fora, certas portas abrem-se e sonhos que em tempos pareciam impossíveis de realizar tornam-se palpáveis. A 29 de agosto, numa madrugada fria, a circulação na Ponte 25 de Abril fechou-se por breves minutos. Com o trânsito momentaneamente parado, o rugir de um motor incomparável a todos os outros motores que então ronronavam na ponte fez-se ouvir. Num flash, Miguel Oliveira disparou pela ponte e concretizou um sonho. Era o primeiro a conduzir uma mota de MotoGP na Ponte 25 de Abril. Livre, ao nascer do sol, com o alcatrão só para ele. "O que hoje é o limite, amanhã deixa de o ser." Não se ficou por aí. Miguel e toda uma caravana levaram a mota e o seu rugir para o estaleiro da Lisnave e para as estradas da serra Sintra. Um passeio para mostrar à mota da Red Bull KTM Tech 3 os cantos à casa antes de seguir para o Autódromo Internacional do Algarve, onde se almeja mais um primeiro. Um primeiro lugar, uma primeira vitória de um português em Portugal na categoria de MotoGP. O Miguel está a viver todos os seus sonhos. E esses não têm limites.
COMENTÁRIOS